Arquivo | novembro 2008

Bertold

Alegrias, as desmedidas.
Dores, as não curtidas.
Casos, os inconcebíveis.
Conselhos, os inexequíveis.
Meninas, as veras.
Mulheres, insinceras.
Orgasmos, os múltiplos.
Ódios, os mútuos.
Domicílios, os passageiros.
Adeuses, os bem ligeiros.
Artes, as não rentáveis.
Professores, os enterráveis.
Prazeres, os transparentes.
Projetos, os contingentes.
Inimigos, os delicados.
Amigos, os estouvados.
Cores, o rubro.
Meses, outubro.
Elementos, os fogos.
Divindades, o logos.
Vidas, as espontâneas.
Mortes, as instantâneas.
 Bertold Brecht

 

Anúncios

Diabo delicado

 

Quando um demônio beija um colibri,

todo meu ardor voa com penas de anjo.

Minha paz é um demônio beijando um colibri,

um delicado diabo tocando banjo.

 

Quando leio a partitura dos gritos dos meus demônios,

entendo todo esse enorme inferno de ser feliz.

A alegria toca violinos de fogo nos meus sonhos

e faz demônios beijar meus colibris.

Carlos Correia Santos

Carlos Correia Santos é paraense, natural de Belém. Bacharel em Direito, jornalista e produtor cultural, Amante da literatura, é o idealizador, coordenador e apresentador de vários projetos de incentivo à leitura na região amazônica, entre os quais se destacam: “Café com Verso e Prosa” (realizado em Belém), “Café com Leituras” (realizado no município paraense de Castanhal) e Estrada de Letras (realizado nos municípios paraenses de Paragominas, Marabá, e Santarém), e em Macapá, capital do Amapá). Preside a ONG literária Cia. Amazônica do Livro, tem trabalhos publicados e ganhou vários prêmios regionais.
http://www.netsaber.com.br/biografias/ver_biografia_c_4727.html

Fico ao teu lado

As palavras estão muito ditas
e o mundo muito pensado.
Fico ao teu lado.

Não me digas que há futuro
nem passado.
Deixa o presente — claro muro
sem coisas escritas.

Deixa o presente. Não fales,
Não me expliques o presente,
pois é tudo demasiado.
Em águas de eternamente,
o cometa dos meus males
afunda, desarvorado.

Fico ao teu lado.

Cecília Meireles

Dormir

No fim de tudo dormir.
No fim de quê?
No fim do que tudo parece ser…,
Este pequeno universo provinciano entre os astros,
Esta aldeola do espaço,
E não só do espaço visível, mas até do espaço total.
 
Alvaro de campos