Mineral

“Eu serei musgo para você pisar, deite-se em mim,

meu amor, chore em mim, e ficarei mais aveludada,

mais tenra… Musgo, não é?

Não sei por que agora quero ser planta,

eu que já fui mineral. Dura como pedra.”

Lygia Fagundes Telles

 

Se desse um grito

Se desse um grito – imagino já sem lucidez – minha voz receberia o eco igual e indiferente das paredes da terra. Sem viver coisas eu não encontrarei a vida, pois? (…) Presa, presa. Onde está a imaginação? Ando sobre trilhos invisíveis. Prisão, liberdade. São essas as palavras que me ocorrem. No entanto não são as verdadeiras, únicas e insubstituíveis, sinto-o. Liberdade é pouco. O que desejo ainda não tem nome. Procurar tranqüilamente admitir que talvez só encontre se for buscá-la nas fontes pequenas. Ou senão morrerei de sede. Talvez não tenha sido feita para as águas puras e largas, mas para as pequenas e de fácil acesso.
 
Clarice Lispector