Arquivos

Sempre, de vez em quando

Toda vez que amanheço
de porre, sem ter bebido,
é prenuncio de tempestades.
Os calos não doem
com a mudança do tempo,
mas meu coração dispara
e o olfato fica mais aguçado
que faro de perdigueiro.
Nestas horas,
não adianta ninguém me dizer
que “viver é experimentar”,
porque o máximo que eu consigo
é avaliar as avarias
causadas pelos arpões.
 
Leila Míccolis