Condenação

 

“Poeta condenado por amar demais!” —
faltou essa manchete
nos jornais.
E ao tanto cantar
amor apenas
escancarou ao mundo
sonhos, penas.
Gente
que sente, máquina não,
ousou,
soltou
a fantasia,
o coração…
que se quebrou
em mil versos,
dispersos
como jogos,
como fogos
ou cometas
estrelas cintilantes
a iluminar
amantes.
Palavras ditas,
chamas escritas…
Mas ao tanto o amor cantar
e assim se dar,
esteta,
começou a incomodar os con-
formados…
E condenado foi
a amor não ter,
a ser sozinho
ou
a só Ser…
Poeta. 
 Maju Costa
 
Anúncios

Um pensamento sobre “Condenação

  1. Gosto dos Poetas que não se intimidam em ser réu,
    e não tem medo de confesar sua culpa no papel.
    como é bom saber que existe magia escancarado, amor no jogo;
    não entre linhas, mas, no livro todo.

    gostei!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s